Google intensifica esforços para bloquear extremismo on-line

Numa tentativa de contenção de “vídeos extremistas e relacionados ao terrorismo” em suas plataformas, o Google promoverá novas e duras ações antiterror na web usando uma combinação de tecnologia e supervisores humanos. As informações são da agência de notícias France-Presse.

As medidas, anunciadas no domingo, chegam após esforços semelhantes revelados pelo Facebook na semana passada, e seguem uma chamada dos líderes do G7, em maio, para que os gigantes da internet façam mais para controlar o conteúdo extremista online.

Em uma publicação no blog oficial do Google, o conselheiro geral da empresa, Kent Walker, foi incisivo:

Enquanto nós e outros trabalhamos durante anos para identificar e remover conteúdos que violam nossas políticas, a verdade desconfortável é que nós, como indústria, devemos reconhecer que é necessário fazer mais. o Google vai dedicar mais recursos para aplicar inteligência artificial para suprimir vídeos do YouTube usados ​​em apoio a ações extremistas. Isso pode ser um desafio: um vídeo de um ataque terrorista pode ser uma cobertura de notícias informativa se transmitido pela BBC, ou a glorificação da violência, se publicado em um contexto diferente por um usuário diferente.

 

Nós agora vamos dedicar mais recursos de engenharia para aplicar nossa pesquisa de aprendizado de máquina mais avançada para treinar novos ‘classificadores de conteúdo’ para nos ajudarem a identificar e remover mais rapidamente o conteúdo extremista e relacionado ao terrorismo.

O Google reconheceu que a tecnologia sozinha não pode resolver o problema e disse que iria “aumentar consideravelmente o número de especialistas independentes” à procura de vídeos que violem suas diretrizes.

As máquinas podem ajudar a identificar vídeos problemáticos, mas os especialistas humanos ainda desempenham um papel em decisões matizadas sobre a linha entre propaganda violenta e discurso religioso ou digno de ser coberto pela imprensa.

A gigante norte-americana planeja adicionar 50 organizações não governamentais às 63 com que já trabalha para filtrar conteúdo inapropriado. “Isso permite que nos beneficiemos do conhecimento de organizações especializadas que trabalham em questões como discurso de ódio, autoflagelo e terrorismo”, escreveu Walker.
 

Sob o endosso de Zuckerberg

Uma iniciativa semelhante foi anunciada na semana passada pelo Facebook, que no início deste ano disse que estava adicionando 3.000 funcionários para rastrear e remover conteúdo de vídeo violento.

Walker afirmou que o Google começaria a “tomar uma posição mais forte sobre vídeos que violem claramente nossas políticas”, incluindo vídeos que “apresentam conteúdo inflamatório religioso ou supremacista”.

Ele disse que o YouTube ia expandir seu papel nos esforços de contrarradicalização usando uma abordagem que “aproveita o poder da publicidade online direcionada” para alcançar recrutas potenciais de grupos extremistas e oferece “conteúdo de vídeo que denuncia mensagens de recrutamento de terroristas”.

 

Texto: Aleteia
Adaptação: Agência Minha Paróquia



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *