Mensagem para Dia das Comunicações: Papa alerta sobre “fake news”

No contexto das fake news, Papa dedica mensagem ao tema da verdade

“A comunicação humana é uma modalidade essencial para viver a comunhão”. Afirma o Papa Francisco na mensagem para o 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais, divulgada nesta quarta-feira, 24, pelo Vaticano. Após elevar a capacidade humana de expressão, compartilhamento e construção da sua própria memória, o Pontífice faz um alerta sobre o egoísmo, sentimento apontado por ele como capaz de distorcer a comunicação e a verdade, em prol de um bem individual ou coletivo.

As “fake news” — notícias falsas — foram apontadas pelo Papa como um tema a ser refletido. De acordo com o Santo Padre, estas “notícias” verossímeis — aquilo que parece intuitivamente verdadeiro, mas não é — são capazes de chamar a atenção dos leitores, apoiadas sobre estereótipos e preconceitos generalizados, e explorar emoções como ansiedade, desprezo, ira e frustração. A difusão destes conteúdos falsos acontecem em sua maioria pelas redes sociais, onde ganham visibilidade e tornam seus danos irreversíveis.

As notícias falsas, que segundo Francisco visam objetivos prefixados — como influenciar opções políticas e favorecer lucros econômicos —, devem ser erradicadas em uma corrente de conscientização das pessoas que interagem a partir deste tipo de conteúdo. Para o Pontífice, as “fake news” geram ambientes digitais de confronto, de descrédito do outro, que passa a ser visto como um inimigo. Uma demonização, que de acordo com Francisco, pode fomentar conflitos.

Diante deste drama da desinformação que gera, segundo o Santo Padre, intolerância, arrogância e ódio, o Papa afirmou que as “fake news” seguem a “lógica da serpente”, citada na narração do pecado original como figura de confusão e tentação para o homem e para a mulher. “Este episódio bíblico revela assim um fato essencial para o nosso tema: nenhuma desinformação é inofensiva, antes pelo contrário, fiar-se daquilo que é falso produz consequências nefastas. Mesmo uma distorção da verdade aparentemente leve pode ter efeitos perigosos”, advertiu o Pontífice.

Comunicar a verdade

O Papa manifestou seu desejo de contribuir para a prevenção da difusão dessas notícias falsas, e para a redescoberta do valor da profissão jornalística e da responsabilidade pessoal de cada um na comunicação da verdade. Francisco caracterizou como louváveis as iniciativas que ensinam homens e mulheres a aprender como ler e avaliar o contexto comunicativo, e a não ser divulgadores inconscientes de desinformação, mas atores do seu desvendamento. As iniciativas institucionais e jurídicas também foram valorizadas pelo Pontífice. “O antídoto mais radical ao vírus da falsidade é deixar-se purificar pela verdade, afirmou Francisco.

De acordo com o Santo Padre, o homem descobre sempre mais a verdade quando a experimenta em si mesmo como fidelidade e fiabilidade de quem o ama. “O melhor antídoto contra as falsidades não são as estratégias, mas as pessoas: pessoas que, livres da ambição, estão prontas a ouvir e, através da fadiga dum diálogo sincero, deixam emergir a verdade; pessoas que, atraídas pelo bem, se mostram responsáveis no uso da linguagem”, comentou o Pontífice.

Jornalismo de Paz

Por fim, o Papa direcionou sua mensagem aos jornalistas, que segundo ele, por profissão são obrigados a ser responsáveis ao informar, e que, como guardiões das notícias, não desempenham apenas uma profissão, mas uma verdadeira e própria missão. “[O jornalista] tem o dever de lembrar que, no centro da notícia, não estão a velocidade em comunicá-la nem o impacto sobre a audiência, mas as pessoas. Informar é formar, é lidar com a vida das pessoas. Por isso, a precisão das fontes e a custódia da comunicação são verdadeiros e próprios processos de desenvolvimento do bem, que geram confiança e abrem vias de comunhão e de paz”, relembrou o Pontífice.

Francisco convidou os profissionais de comunicação a promover um jornalismo de paz, que não negue a existência de problemas graves, mas que pelo contrário, não use de fingimentos, seja hostil às falsidades, a slogans sensacionais e a declarações bombásticas, um jornalismo a serviço de todas as pessoas, que não se limite a queimar notícias, mas que se comprometa na busca das causas reais dos conflitos, favorecendo a compreensão das raízes e empenhado em indicar soluções e alternativas.

O Santo Padre encerrou sua mensagem, inspirado na oração franciscana da paz. “Senhor, fazei de nós instrumentos da vossa paz. Fazei-nos reconhecer o mal que se insinua em uma comunicação que não cria comunhão”, diz um dos trechos da oração.

Via Canção Nova



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *