Os custos para se ter um site

site

Em uma outra oportunidade, falei aqui na revista Ave Maria sobre as possibilidades para um trabalho na internet, inclusive as opções gratuitas. Sei que dinheiro não está sobrando para ninguém e, especialmente às paróquias, os padres tem muitas outras contas a pagar e investimentos a serem feitos… Mas quem disse que internet não é investimento?!

É importante ter cautela para não tornar uma ferramenta de evangelização um novo problema para a comunidade. Não se iluda na tentativa de minimizar custos e acabar gerando despesas até maiores no futuro, especialmente na parte humana. Digo isso devido a quantidade de casos de sites de paróquias que começaram na “boa vontade” e tiveram desperdício de tempo, geraram divisão e o que restou foi um “elefante branco virtual”.

Entenda bem: não estou criticando o trabalho voluntário em si e isento de qualquer crítica os que oferecem sua capacitação profissional a serviço da comunidade, mas um site não pode ser encarado como uma “brincadeira”. Imagine como seria se na construção de uma capela o pároco, ao invés de contratar um pedreiro, juntasse as senhoras do Apostolado da Oração para erguerem o prédio… Elas poderiam fazê-lo com boa vontade, iriam até se divertir levando cestas de guloseimas para a hora do lanche, mas na certa o resultado seria desastroso. Indo mais a fundo no exemplo, o serviço da construção da capela precisa do pedreiro, que é o profissional competente para erguer o prédio, mas a capela só irá “funcionar” depois com essas senhoras indo diariamente rezar no local. Você precisa do profissional técnico para a estrutura e, para a vida comunitária, os fiéis. Ou seja, o trabalho de um profissional não isentará o serviço de uma equipe da PASCOM, por exemplo.

Se você não teve a sorte de contar com um paroquiano que tenha uma empresa que desenvolve sites e pode ajudá-lo, é a hora de pensar em contratar uma empresa competente para tal. E, mesmo se esse paroquiano existir, pague-o. Sim! Não se esqueça que “burro dado não se olha os dentes”, se você contar com um favor não queira exigir depois.

Provavelmente em sua cidade existe um empresa ou profissional que faça esse trabalho. O investimento fica em torno de R$ 2.500,00, mas um projeto robusto pode chegar aos R$ 4.500,00. O Minha Paróquia (www.minhaparoquia.com.br), que é uma empresa especializada em sites para as paróquias, oferece o serviço com uma estrutura e orçamento adaptado às comunidades. E também existem agências de comunicação católica que poderão fazer esse serviço personalizado.

Acompanhe de perto o trabalho dessa empresa ou, caso tenha uma PASCOM, coloque essa equipe próxima para que, na hora certa, cuidem devidamente do site.

Sérgio Fernandes é publicitário e escritor, responsável pelo projeto Minha Paróquia.
E-mail: contato@minhaparoquia.com.br



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *